“Meu pai se recusou a negar a Cristo e eles cortaram sua mão e depois o mataram” relata refugiado

28 de Fevereiro de 2020 Fonte::

É domingo de manhã na Nigéria, e cristãos estão indo à igreja. Como parte da maior comunidade cristã do continente, os crentes aqui têm sua escolha de lugares para adorar. Aqui no Family Worship Center, liderado pela Pastor Sarah Omakwu, formada pela Regent University, milhares levantam as mãos em louvor.

Visitei um campo de refugiados que foram deslocadas internamente de suas aldeias no norte e no oeste da Nigéria. Existem cerca de 2,5 milhões de pessoas deslocadas internamente, o que faz desta uma das maiores crises humanitárias do mundo atualmente. E o que todas essas pessoas têm em comum é que são cristãs.

Aisha Walla, 29 anos, cresceu no norte da Nigéria com sua família, vivendo uma vida pobre junto com o restante da pequena vila. Ela é cristã de um dos maiores grupos étnicos da África Ocidental. A vida era difícil para essa jovem mãe de dois filhos e estava prestes a ficar muito mais difícil.

Boko Haram invade aldeia

“Em novembro de 2013, o Boko Haram invadiu nossa vila”, disse ela. “Eles mataram meu sogro e sequestraram algumas das crianças que moravam conosco. Estávamos com tanto medo, então fugimos para as montanhas. ”

O Boko Haram existe há muito tempo, começando em 2002. Mas, com o passar do tempo, eles se tornaram cada vez mais radicais ao ponto em que cinco anos atrás eles detonaram um carro-bomba na Embaixada da ONU em Abuja. E desde então mataram milhares de pessoas em todo o país da Nigéria e em outros lugares, a ponto de, em 2015, terem sido designados um dos grupos terroristas mais perigosos do planeta.

Muito desse terror é direcionado aos cristãos. Enoch Yeohanna era um dos vizinhos de Aisha.

Igrejas em chamas, membros mortos

“Eles começaram queimando igrejas, matando os pastores e matando os membros ”, disse Enoch.

“Em 29 de setembro de 2014 foi o dia em que atacaram minha aldeia. Por volta das dez, recebi uma ligação dizendo que mataram meu pai. Eles pediram que ele negasse a Cristo e, quando ele recusou, cortaram sua mão direita. Então ele recusou de novo, eles estão cortaram no cotovelo. No qual ele se recusou, antes de atirarem na testa, no pescoço e no peito” – continuou Enoch.

Muitos dos 1.500 cristãos que vivem neste campo têm histórias semelhantes. Como Hanatu Katghaya, uma professora voluntária da escola, que teve que fugir a pé para Camarões carregando sua filha de três anos de idade nas costas.

“Fugimos do Boko Haram. Andei dois meses antes de chegar à Nigéria ”, ela nos disse.

Quando ela chegou, percebeu que o acampamento não tinha escola para as crianças. Então ela decidiu fazer algo sobre isso.

“O que torturou minha mente é que essas crianças vivem sem ir à escola. Então nos sentamos e discutimos. Vamos deixá-los assim? O Boko Haram existe por causa do analfabetismo. Portanto, se não ensinarmos essas crianças, isso nos afetará direta ou indiretamente ”, disse Hanatu.

“Agora agradeço a Deus. Vimos grande mudança nas crianças”, disse ela.

Hanatu e outros voluntários vão além da leitura e da aritmética. Eles ensinam as crianças sobre sua herança, já que muitos desses pequenos nunca viram seu verdadeiro lar.

“Nós sempre choramos, há uma música que nossos filhos sempre cantam, ‘oh minha casa, oh minha casa’. Porque não há lugar como o lar ”, disse Yeohanna.

Os militares nigerianos montaram grandes ofensivas contra o Boko Haram nos últimos meses e, mesmo com pesadas perdas de ambos os lados, parece não haver um fim. Apesar das dificuldades, esses cristãos deslocados são crentes firmes no poder da oração.

“Se houver paz, não há nada que nos impeça de ir para lá”, disse Enoch Yeohanna.

“Minha fé ajudou minha vida de oração e acredito que as orações dos santos ao redor do mundo nos ajudaram a superar esses tempos difíceis”, disse Aisha Walla. “Minha esperança é que Deus traga todos os deslocados de volta para suas casas, para que possamos adorar a Deus juntos e viver em paz.” Com informações Faithwire

Comentarios